08 janeiro 2016

Resenha - A Promessa da Rosa

Autor(a): Babi A. Sette
Páginas: 432
Ano: 2015
Editora: Novo Século
Gênero: Drama/Romance
Sinopse: Século xix: status, vestidos pomposos, carruagens, bailes… Kathelyn Stanwell, a irresistível filha de um conde, seria a debutante perfeita, exceto pelo fato de que ela detesta a nobreza; é corajosa, idealista e geniosa. Nutre o sonho de ser livre para escolher o próprio destino, dentre eles inclui o de não casar-se cedo. No entanto, em um baile de máscaras, um homem intrigante entra em cena… Arthur Harold é bonito, rico e obstinado.

Supondo, por sua aparência, que ele não pertence ao seu mundo, à impulsiva Kathelyn o convida a entrar no jardim – passeio proibido para jovens damas. Nunca mais se veriam, ela estava segura disso. Entretanto, ele é: o nono duque de Belmont, alguém bem diferente do homem que idealizava, só que, de um instante a outro, o que parecia a aventura de uma noite, se transforma em uma paixão sem limites.

Porém, a traição causada pela inveja e uma sucessão de mal-entendidos dão origem ao ciúme e muitas reviravoltas. Kathelyn será desafiada, não mais pelas regras sociais ou pelo direito de trilhar o próprio caminho, e sim, pela a única coisa capaz de vencer até mesmo a sua força de vontade e enorme teimosia: o seu coração.

Primeiro de tudo, eu quero pedir desculpas para a Babi, a resenha já estava pronta fazia tempos, mas eu não consegui postar devido vários problemas... Então mil desculpas! Segundo... eu raramente falo isso, mas... Obrigada a autora pela oportunidade de estar conhecendo e vivendo nesta história, entre o amor de Kathelyn e Arthur. O sentimento que eu tive ao ler A Promessa da Rosa, não tem uma explicação, apenas... Fazia tempo que eu não o tinha ao finalizar uma leitura.

Em A Promessa da Rosa você vai vivenciar a história de Kathelyn e Arthur, ou também conhecido como o Duque. Kathelyn era uma menina que estava na época de ser apresentada para a sociedade, filha de um Conde, mas nenhum pouco do tipo menininha. Kathelyn era uma garota que gostava de fazer se não tudo, quase tudo que era proibido para uma moça, nadar, estudar, rir e aprontar muitas coisas. Ela adorava estudar as antigas civilizações, a cultura dos egípcios, gregos, etc... e era apaixonada pelas peças que eram consideradas raras, digamos assim.

Certo dia Kathelyn acaba indo a um baile à fantasia com a simples intenção de ver as peças antigas encontradas no escritório do dono da festa, mas... Para a surpresa dela, ela acaba encontrando com um homem, que se dizia dono das peças e que queria que ela confessasse que ela estava indo ali para roubar, o que ela provou que não era verdade simplesmente falando aquilo que ela sabia e havia estudado sobre as peças. Claro que ambos ficaram fascinados um com o outro, continuaram suas conversas e logo depois em um determinado momento acabaram se beijando, um beijo ardente e que para um primeiro beijo passou bastante dos limites. Ela percebendo a loucura que estava fazendo saiu sem dar qualquer explicação e muito menos sem dizer o nome, assim seria melhor, ele não saberia o nome dela e nem ela o dele, porém a vida, o destino lhes reservou uma grande surpresa. 


Com o desenrolar da história... Algum tempinho passa e Arthur, sem que Kathelyn ficasse sabendo "entrou" em contato com o pai da garota para fazer um contrato de casamento, porém ele iria primeiro conquistar a garota, sem que ela soubesse de contrato nenhum, já que o duque sabia perfeitamente que Kathelyn não aceitava ser tratada como uma mercadoria e todos que conheciam Kathelyn sabia que ela queria casar por amor e não apenas porque o pai dela arrumou alguém par corteja e casar com ela. Aos poucos os dois acabaram vivendo um romance, romance que chegava dar inveja em muitas mulheres da cidade e até mesmo muita fofoca. O relacionamento deles era perfeito (posso dizer perfeito né?), ele era sim perfeito... Digo perfeita a forma como eles tratavam um ao outro. Mas quando é perfeito demais a gente fica meio preocupada, tipo... "Será que vai ser isso apenas?", aí a autora resolve nos fazer uma surpresa e separar o casal maravilhoso por boatos, apenas boatos, pensamento de possíveis traições. Neste momento você passa viver o desespero de Kathelyn. Eu queria poder bater no Arthur.




A garota acaba passando por muito problema, passa por poucas e boas, de forma com que faz com que nós leitores conseguíamos perceber todo o preconceito que existia em relação às mulheres daquela época, o quanto era complicado tentar ser alguém um pouco fora dos padrões impostos pela sociedade e você fica sofrendo, torcendo e muito para Kathelyn dar a volta por cima em relação à tudo. Você vai ficar o livro todo torcendo pelo casal também (que já não era mais um casal).

O final foi interessante, surpreendente e como eu sou talvez um pouco chorona, o final também me fez chorar. Porque Babi... Que final foi aquele?

O livro conta com 432 páginas. Tem uma escrita maravilhosa. A autora faz com que a gente consiga viajar para dentro do livro, mas como se você fosse a própria personagem - Kathelyn - e isso é maravilhoso. Eu amo livros neste estilo, romance de época. E acredito e digo, vale muito a pena vocês começarem a ler esse livro, não acho que vão se arrepender. Já é o segundo livro que eu leio da autora, e ambos os livros foram maravilhosos. 

Você pode estar adquirindo o livro no site da autora: Babi A. Sette

E não deixe de conferir a resenha de  Entre o Amor e o Silêncio


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...